Governo de Rondônia fascista e polícia militar ataca, tortura e despeja camponeses

out 19th, 2016 | By | Category: Destaque, Liga Operária

Sob as ordens do latifúndio, na manhã desta terça-feira, dia 18, o fascista governador de Rondônia e ex-PM, Confúcio Aires Moura, acionou o  2º batalhão de polícia militar com apoio da COE (Companhia de Operações Especiais),para agredir, torturar e expulsar famílias camponesas da área do Acampamento Jhone Santos. O acampamento está localizado na Linha 206, na cidade de Ji-Paraná/RO, na Fazenda da Agropecuária Amaralina,  terras públicas cujo grileiro latifundiário está no Estados Unidos. Os camponeses ocupavam a área desde 12/04/2016.

O Acampamento possuia 300 famílias acampadas, sendo que 75 crianças matriculadas e estudando nas escolas da região.

Do ataque da polícia militar aos camponeses que consistiu em tiros e bombas e incêndio nos humildes barracos de palha, também participaram da Operação Polícia Civil, NOA (Núcleo de Operações Aéreas), Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental, Conselho Tutelar de Ji-Paraná e representantes da Ouvidoria Agrária.

 

As famílias camponesas, homens, mulheres, idosos e crianças, que almejavam o justo direito a terra a quem nela trabalha foram atacados com toda violência e resistiram por várias horas. Diante da desproporção de forças e do armamento pesado e truculência da polícia, inclusive armas químicas disparadas contra as famílias, o despejo foi efetuado.

Prisões arbitrárias foram feitas e os camponeses conduzidos para a delegacia de polícia, onde foram qualificados e incriminados. Vários continuam presos. A tropa de covardes e guarnições de Patrulhamento Rural impõem o terror em toda a extensão da Linha e pesa a ameaça a qualquer um dos camponeses que for abordado a pelo menos 30 KM da fazenda, de ser preso em flagrante por desobediência à ordem judicial.

O Acampamento possuia escola para reforço escolar, cozinha comunitária, barracão de reuniões, sendo que o CDRA (Comitê de Defesa da Revolução Agrária) do Acampamento Jhone Santos zelava pelo bem estar das famílias, evitando ingresso de drogas, prostituição e bebidas na área. Os camponeses cultivavam uma horta para a subsistência do Acampamento.

hortacoletiva

horta2

 

Tudo foi destruído pelas hordas policiais sanguinárias a serviço do latifúndio e do fascista governo de turno, coronel-serviçal dos fazendeiros, Enedy Dias e ex-PM Confúcio Moura. Mas os camponeses são resistentes, a luta continua e a terra vai ser de quem nela trabalha, custe o que custar.

A LIGA OPERÁRIA EXPRESSAMOS NOSSO ABSOLUTO E INCONDICIONAL APOIO A JUSTA E SAGRADA LUTA CAMPONESA POR TERRA A QUEM NELA TRABALHA E POR DESTRUIR ESSE OPRESSOR E CADUCO SISTEMA LATIFUNDIÁRIO.

O povo quer terra, não repressão!

Defender e apoiar os camponeses da área Jhone Santos!

Viva a luta dos camponeses do Acampamento Jhone Santos!

Pela imediata retirada do aparato de guerra da PM da região e pela restituição da terra aos camponeses!

As fotos a seguir, publicadas inicialmente pelo site policial “comando 190″, mostram algumas cenas do desenrolar da violenta ação policial  contra as humildes famílias camponesas:

 

 

 

 

Comments are closed.