Dinheiro de Jirau é destinado para repressão e é desviado por coronéis da PM de Rondônia

dez 28th, 2012 | By | Category: Internet

Fonte: artigo publicado no site da Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia – ASSFAPOM – em 26/05/2012

Mais de 500 mil reais, provenientes do chamado fundo de compensação da usina de Jirau, vêm sendo submetido à fiscalização pela promotoria de justiça, bem como pela justiça militar, onde segundo informações, foram detectadas diversas irregularidades no projeto de melhoria e ampliação do Complexo de Correição. Como vemos, os recursos da chamada compensação pelos danos ambientais e sociais causados pela obra da usina hidrelétrica de Jirau além de não serem destinados para obras como a construção de hospitais, escolas, saneamento, infraestrutura social, são quase que totalmente destinados para o braço repressivo do Estado e ainda desviados.

O Complexo de Correição da Polícia Militar, criado em sete de novembro de 1986, destina-se ao recolhimento de presos de justiça que cumprem penas privativas de liberdade de reclusão nos regimes fechado e semi-aberto com capacidade de lotação de 40 internos.

Conforme relatos os recursos deixaram de ser aplicado na obra. A justificativa dos oficiais envolvidos é de que o montante teria sido utilizado na reforma do Comando Geral da PM-RO, com anuência do comandante e subcomandante, coronéis Paulo Cesar e Tomazone.

A matéria pulicada no site de notícias classirondonia: “Usina Jirau viabiliza reforma do centro de treinamento e complexo de correição da PM” afirma que cerca de 900 mil reais foi destinado à reforma do complexo. Segundo o projeto, ganharia a capacidade de 50 internos, bem como novo telhado, guarita, alojamento para a guarda, muros e elevador, todavia não foram construídos e/ou adquiridos.

Praças dão conta de que o alojamento, que não passou pela devida reforma, exala odores insuportáveis e que o local encontra-se em condições subumanas, ou seja, totalmente insalubre.

Comments are closed.